Prefeitura Municipal de Tamarana | Em período de chuvas constantes, infestação de dengue volta a subir em Tamarana

Em período de chuvas constantes, infestação de dengue volta a subir em Tamarana

  Data da Publicação: 30/01/2018
Em período de chuvas constantes, infestação de dengue volta a subir em Tamarana

* (Comunicação/PMT)

O último Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa) realizado em Tamarana apontou que a taxa de incidência de focos do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya está em 2%. Ou seja, de cada 100 imóveis da cidade, há criadouros do bicho em dois deles. No LIRAa anterior, feito em novembro de 2017, o índice havia ficado em 0,8%. Ao mesmo tempo, em janeiro de 2017, a taxa era de 8,3%. O número considerado satisfatório pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial da Saúde (OMS) é de até 1%. Com isso, segundo o coordenador de Combate a Endemias do município, Guilherme Garcia, Tamarana se encontra em situação de médio risco em relação ao vetor.

Larvas do Aedes foram localizadas pelos agentes de endemias em todas as regiões da área urbana. Os profissionais coletaram os dados do LIRAa entre os dias sete e 13 de janeiro, em 236 imóveis. Para Garcia, o tempo quente e chuvoso contribuiu para a elevação da incidência de focos do mosquito. “O índice aumentou principalmente por causa da chuva, e isso não foi só em Tamarana. O LIRAa subiu em todos os municípios da 17ª Regional de Saúde que tenho notícia. Em alguns deles, a infestação passou de 10%”, observou.

O coordenador de Combate a Endemias destacou que toda a cidade deve continuar ativa na luta contra o Aedes aegypti. “A principal ação é mesmo a limpeza, tanto por parte do poder público quanto da população, que deve cuidar das áreas que são de sua responsabilidade, seja casas, comércios ou terrenos vazios”, disse Guilherme Garcia, que também informou que a maioria dos focos foi encontrada em pequenos depósitos móveis, como bebedouros de animais e resíduos domésticos que acumulam água. Enquanto isso, a Prefeitura de Tamarana já se articula para buscar executar um amplo mutirão de limpeza no município, que tem seis casos suspeitos de dengue em 2018.

Febre amarela – Guilherme Garcia lembrou ainda que o Aedes aegypti transmite a febre amarela em áreas urbanas e, embora não se saiba de casos nas últimas décadas, o combate ao mosquito não pode parar. “No Brasil, não se tem notícia da febre amarela urbana há muitos anos, mas estamos alertas. Se eliminarmos os criadouros do mosquito, o problema diminui ainda mais”. Vale lembrar que, em áreas silvestres, a febre amarela é contraída através da picada dos mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes. Os macacos não transmitem a doença ao ser humano.

A vacina contra febre amarela é aplicada somente uma vez em vida e tem como público-alvo crianças a partir dos 9 meses até adultos com 59 anos, 11 meses e 29 dias (ou seja, 60 anos incompletos). Gestantes, lactantes e idosos são orientados a não tomá-la, mas, caso se desloquem para área de risco, podem ser imunizados após autorização médica. A dose está disponível em todas as unidades básicas de saúde de Tamarana. Outras medidas que ajudam a prevenir contra os mosquitos transmissores são o uso de repelentes, roupas que cubram todo o corpo e mosquiteiros.