Famílias de baixa renda de Tamarana recebem caixas d'água

  Data da Publicação: 28/01/2020
Famílias de baixa renda de Tamarana recebem caixas d'água

* Além das caixas d'água, moradores receberam tubulação, base metálica e mais R$ 1 mil por família para contratar a mão de obra para instalar o equipamento | Foto: Comunicação/PMT

Famílias da Vila Siena, Jardim Juny e Jardim Esperança começaram 2020 com caixa d'água nova em suas casas. Elas foram beneficiadas pelo programa Caixa d'Água Boa, executado pela Sanepar e a Secretaria da Justiça, Família e Trabalho do Paraná. Em Tamarana, o trabalho teve o apoio do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) Professora Sueli Dias de Paula Oliveira, Secretaria municipal de Assistência Social e da Secretaria municipal de Obras.

Além das caixas d'água, os moradores receberam tubulações, base metálica e mais R$ 1 mil por família para contratar a mão de obra para instalar o equipamento. A entrega ocorreu no último mês e atendeu 20 famílias (14 da Vila Siena, cinco do Jardim Juny e uma do Jardim Esperança). Ser beneficiário da tarifa social da Sanepar, estar com o Cadastro Único atualizado e não possuir caixa d'água no imóvel são alguns dos pré-requisitos para se enquadrar nos critérios da iniciativa.

Servidores do município e da Sanepar, a secretária municipal de Assistência Social, Mariza Assumpção Jorge, e o vice-prefeito de Tamarana, Sérgio Nakata, participaram da ação. Os recursos para colocar o projeto em prática são do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Tamarana está entre as mais de 100 cidades paranaenses em que a prefeitura aderiu ao programa. O Caixa d'Água Boa é voltado para famílias em situação de vulnerabilidade social, com renda familiar per capita de até R$ 499, que residem em áreas urbanas dos municípios considerados prioritários pelo governo estadual por terem Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) em condição mais delicada.

Segundo um levantamento da Sanepar, uma a cada cinco casas paranaenses não possuem caixa d'água. Conforme a companhia, a falta de reservatório domiciliar trata-se de problema ainda mais comum entre as famílias cuja renda mensal não passa de R$ 1,3 mil. Ou seja, moradores de localidades carentes são os que mais sofrem quando há interrupção no fornecimento de água por não contarem com esse equipamento no imóvel.


Lucas Marcondes Araújo - Comunicação/PMT (com informações da Agência de Notícias do Paraná e da Sanepar)